titulo_lateral_sobre_o_abimip
  • Quem Somos
  • Missão
  • Objetivo
  • Associados
  • Diretoria
  • Estatuto
  • Código de Conduta
titulo_lateral_agenda_de_eventos
titulo_lateral_newsletter
Conheça o MIP

Diferenças entre produtos com faixas vermelha ou preta (prescrição) e sem faixa (de venda livre)

O Ministério da Saúde determina quais medicamentos devem ter uma faixa (vermelha ou preta) em sua embalagem, o que significa a necessidade da apresentação de uma receita médica para a venda.
ao consumidor. Medicamentos com embalagens com faixa (vermelha ou preta) somente devem ser prescritos e usados sob orientação médica, já que destinam-se a quadros clínicos que exigem maior cuidado e controle. Medicamentos sem faixa na embalagem podem ser tomados e adquiridos sem prescrição médica. Destinam-se a situações corriqueiras, onde sintomas leves podem incomodar, e, em geral, praticamente são destituídos de efeitos adversos importantes.

Informações na Embalagem

Como você obviamente não iria ignorar as instruções do seu médico para o uso de um medicamento vendido com receita, do mesmo modo, não ignore o que está escrito nas embalagens quando tomar um medicamento sem prescrição médica. As informações ali contidas devem ser lidas antes de usá-lo. Confira na ilustração ao lado.
Você nunca deve usar medicamentos de venda livre (sem prescrição médica) por mais tempo ou em doses maiores do que o recomendado na embalagem. Sintomas que persistem, que não desaparecem com o uso da medicação, são um claro sinal de que é preciso consultar um médico. Ou seja, siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação médica.

Possibilidades de Interações com outras substância

As embalagens dos medicamentos de venda livre (sem prescrição médica) atuais contêm várias observações quanto às suas eventuais interações com outras substâncias.
Interações são reações que podem ocorrer quando você mistura certos medicamentos com alimentos, bebidas ou outros medicamentos. Algumas interações podem produzir reações indesejáveis, tornar um medicamento menos eficiente ou mesmo ineficaz. Alguns antiácidos, por exemplo, podem reduzir a ação de antibióticos. Misturar álcool a certos medicamentos, como por exemplo antialérgicos e sedativos, pode deixá-lo sonolento ou diminuir os seus reflexos. Outras interações podem ocorrer quando você tem problemas nos rins, diabetes ou pressão alta.

Dicas para identificar embalagens violadas

Os fabricantes de medicamentos de venda livre (sem prescrição médica) usam, em muitos de seus produtos, embalagens resistentes à violação, a fim de lhe dar proteção contra atos criminosos. Tais embalagens permitem que se perceba facilmente quando foram violadas. Apesar de todos esses cuidados, não existem embalagens totalmente seguras.

Aqui estão formas de você se proteger:

  • Observe, no próprio rótulo, os dados sobre como deve ser a embalagem quando não violada.
  • Verifique a embalagem antes de comprar.
  • Não compre nenhum medicamento caso a embalagem esteja violada.
  • Ao chegar em casa, confira se o conteúdo do pacote está de acordo com o que você comprou.
  • Se alguma coisa parecer suspeita, esclareça. Entre em contato com o local onde você comprou o produto.
  • Nunca tome medicamentos no escuro. Certifique-se.
  • Mantenha sempre o produto na embalagem original.

Fatos para a família:

Mulheres e medicamentos de venda livre.
As mulheres têm responsabilidades especiais no que se refere à medicação com produtos de venda livre ou de prescrição. A gravidez e a amamentação, por exemplo, são fatos importantes a serem considerados quanto à decisão de tomar ou não um medicamento ou qual tomar.

Mães que amamentam

Embora a maioria das substâncias utilizadas em medicamentos passe para o leite materno em concentrações muito baixas, mulheres que estão amamentando precisam ser muito cuidadosas.
Um médico pode aconselhar você sobre como ajustar o horário e a dosagem de medicamentos, para que o bebê seja exposto à menor quantidade possível. Algumas substâncias, no entanto, devem ser evitadas.

Mulheres grávidas

Os componentes da maioria dos medicamentos podem passar da mulher grávida que os toma para o feto.
Uma concentração de medicamentos que seja segura para a mãe pode não o ser para o bebê, causando complicações. Portanto, para a sua segurança e a do seu bebê, caso você esteja grávida, consulte sempre seu médico, antes de tomar qualquer medicamento, necessite ele ou não de prescrição médica.

Crianças
Caso você seja o tipo de pessoa distraída, deixe um bilhete para si mesmo lembrando-o de tomar o medicamento. Não coloque o próprio medicamento na mesa da cozinha ou na pia do banheiro para que funcionem como lembrete. Bolsas e carteiras, por sua vez, estão entre os piores lugares para escondê-lo de crianças curiosas. E, uma vez que crianças são imitadoras por natureza, é uma boa idéia nunca tomar medicamentos na frente delas. Elas podem ficar tentadas a "brincar de médico" com seu medicamento,mais tarde.
Os medicamentos de venda livre (sem prescrição médica) podem ser úteis às crianças em várias circunstâncias. No entanto, alguns cuidados são indispensáveis quanto ao seu uso e armazenagem.

A dosagem certa
Os medicamentos de venda livre em geral são comercializados em vários tamanhos e dosagens. Aqui estão algumas dicas sobre como dar remédios de venda livre às suas crianças:

  • Crianças não são adultos pequenos. Não calcule a dosagem de acordo com o tamanho ou a altura da criança. Leia a embalagem.
  • Conheça bem a diferença entre os vários tipos de colheres: sopa, sobremesa, chá, café. Elas representam dosagens bem diferentes.
  • Tome cuidado ao converter as instruções referentes à dosagem.
  • Dê preferência a usar colher-medida ou copo-medida graduados.
  • Não banque o médico. Não dobre a dosagem só porque a criança parece estar pior do que antes ou porque esqueceu de dar a dose anterior.
  • Evite dar à criança dois medicamentos ao mesmo tempo, fale com o seu médico.
  • Obedeça a todos os limites de idade que constem do rótulo.
  • Nunca deixe crianças tomarem medicamentos sozinhas.
  • Nunca descreva um medicamento como um doce, para convencer a criança a tomá-lo. Se ela encontrá-lo de novo quando estiver sozinha, é capaz de lembrar-se de que você o chamou de "doce" e tomar doses excessivas, correndo sérios riscos de intoxicação.